Faculdade Maurício de Nassau UNINASSAU | Ser Educacional
10 Abril
LAURO DE FREITAS
Unidade promove campanha de responsabilidade socioambiental
Por Suzane Soares

A unidade Lauro de Freitas lançou, neste último mês, uma campanha de conscientização para o uso de canudos. A ação foi voltada para os cursos superiores em tecnologias. Por ser um item dispensável no consumo diário, a campanha ganha força quando se observa os alarmantes números e prejuízos ao meio ambiente.

Alunos de Recursos Humanos, Gestão Coercial e Logística, já aderiram.

03 Abril
AUTISMO
Autismo: Um incompreendido universo em azul
Por Andre Felipe

O Dia Mundial de Conscientização do Autismo, celebrado em 2 de abril, é a data de entrada para o Abril Azul, mês dedicado à conscientização sobre as características do transtorno e também de visibilidade à vivência de pessoas autistas. Com as suas causas ainda não totalmente conhecidas pela medicina, o Transtorno do Espectro Autista (TEA) atinge cerca de 241 mil crianças no Brasil e, segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), a cada 160 delas, uma possui o diagnóstico. No entanto, especialistas estimam que aproximadamente 200 milhões de crianças brasileiras sofrem com o transtorno de desenvolvimento, sendo o principal fator dessa discrepância entre os números o diagnóstico tardio da doença.

Popular como um conceito único, o TEA, na verdade, reúne quatro desordens do desenvolvimento neurológico presentes desde o nascimento ou começo da infância: transtorno autista, transtorno desintegrativo da infância, transtorno generalizado do desenvolvimento não-especificado (PDD-NOS), e Síndrome de Asperger. A Organização Mundial de Saúde (OMS) divide em 3 grupos as pessoas autistas; indo eles da ausência completa de contato interpessoal, ausência de contato visual e interações limitadas ao domínio da linguagem e inteligência superiores à média, constituindo-se em pouca ou nenhuma inabilidade em interações. Este último grupo seria maior se o diagnóstico fosse feito ainda na infância, permitindo que as crianças autistas crescessem com maior assistência e compreensão diante de um contexto social desfavorável, que alimenta com desinformação os misticismos que circulam o transtorno.

Ainda no começo dessa semana, o senador Paulo Paim (PT-RS), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), anunciou durante a audiência pública sobre o Dia Internacional de Conscientização sobre o Autismo, que projetos acerca do transtorno serão adicionados à pauta da comissão até o final de abril. A reivindicação foi feita pelo diretor-presidente do Movimento Orgulho Autista Brasil (Moab), Fernando Cotta. A principal reivindicação é para que entre na pauta o texto que trata da inclusão de especificidades inerentes ao autismo no censo (PLC 139/2018). A intenção é subsidiar políticas públicas voltadas para pessoas autistas. A inclusão das crianças com autismo também foi lembrada pelos participantes. A professora Érica Lemos, mestre em Psicologia Educacional e mãe de um menino autista, afirmou que "não adianta a lei obrigar as escolas a receberem autistas sem preparar professores e comunidade escolar". A audiência encerrou-se com os representantes prometendo ações de socialização do autista, com foco na infância.

Crianças autistas são mais criativas


Estudos realizados pelo Departamento de Psicologia da Universidade de Stirling na Escócia exibiram que pessoas com o TEA demonstram maior habilidade para apresentar soluções criativas para problemas de difícil resolução. Das mais de 300 pessoas sob análise, as que obtiveram melhor resultado foram portadoras de TEA, já que apresentavam o maior número de soluções criativas para os problemas apresentados em um mesmo exercício.
Para o psiquiatra Cleverson Higa Kaio, mestre em saúde da criança e do adolescente, crianças com o transtorno podem apresentar vastas habilidades em áreas como matemática e memorização. As maiores dificuldades são notadas na comunicação e na relação interpessoal em sala de aula.

Apesar de pequeno, o número de autistas em universidades traz grande representatividade


Em um levante de 2016 para o Censo de Educação Superior, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) aponta que, dos 8 milhões de universitários no Brasil, apenas 488 são representados por autistas; desses, 212 estão em instituições de ensino públicas e 276, em privadas. Dentre os principais indicadores para o ingresso estão a terapia, a preparação do corpo educacional nas instituições de ensino e o apoio da família no reconhecimento das capacidades do autista.

Redatora: Vitória Silva

12 Novembro
Conscientização
UNINASSAU na luta contra o Câncer de Mama
Por Jademilson Manoel

A instituição promoveu, durante todo o mês de outubro, ações que visaram a conscientização a respeito da prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama

09 Outubro
EVENTO
Outubro Rosa
Por Osmarina Alves

Outubro Rosa é uma campanha de conscientização realizada no mês de outubro dirigida à sociedade e às mulheres sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama.
 
O movimento surgiu em 1990, na primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York, e desde então, vem sendo promovida anualmente na cidade. O nome remete à cor do laço rosa que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades.
 
Com o intuito de promover um evento para dar atenção a este tópico tão frequente no cotidiano de todos, os acadêmicos de Enfermagem, Psicologia, Fisioterapia, Edução Fisica e Farmácia da Uninassau Manaus irão realizar no próximo domingo (15), às 07h30, na Ponta Negra, ações de educação em saúde com objetivo de passar orientações para saúde da mulher.
 

28 Maio
CAMPANHA
Alunos participam de caminhada em conscientização ao Maio Amarelo
Por Luciana Brito

No intuito de promover a conscientização e prevenção do comportamento responsável no trânsito, em razão dos elevados índices de acidentes nas estradas, rodovias e centros urbanos na Bahia e no Brasil, o setor de Responsabilidade Social da Faculdade Mauricio de Nassau realizou na manhã deste domingo (28) uma caminhada de mobilização com a temática Maio Amarelo, envolvendo os alunos e profissionais da Faculdade.

O evento contou com a presença de discentes de todos os cursos, inclusive com a participação expressiva dos alunos de Administração, Recursos Humanos e Logística. A caminhada teve concentração no Jardim de Alah com aulão de alongamento. De lá, a caminhada percorreu a orla da cidade. Durante a ação, faixas alertavam sobre condutas responsáveis que devem ser adotadas, em cumprimento as leis de trânsito, com a distribuição de panfletos educativos.

Confira na galeria abaixo a participação dos alunos de Administração, Recursos Humanos e Logística na caminhada Maio Amarelo.

22 Maio
AÇÃO DE CONSCIENTIZAÇÃO
Alunos realizam ação em Fortaleza sobre o Maio Amarelo
Por Olavo Junior

No último sábado (20), os alunos do curso de Fisioterapia da Faculdade Maurício de Nassau realizaram uma atividade relacionada ao projeto Maio Amarelo, apoiado pela instituição. Os estudantes abordaram motoristas, pedestres, ciclistas, e os orientaram sobre as leis de trânsito e os cuidados preventivos para evitar acidentes.

Confira mais detalhes nas imagens abaixo:

03 Maio
CONSCIENTIZAÇÃO
Alunos e professora participam do Projeto Praia Limpa
Por Luciana Brito

No último dia 23 de abril, alunos do 5º semestre de Administração, juntamente com a professora Itana Novais, se reuniram para a realização do Projeto Praia Limpa.

A ação visa modificar os hábitos de descarte de resíduos sólidos no mar, que poluem a fauna e a flora marinha. A turma de administração percorreu pela extensão da praia, recolhendo o lixo e distribuindo sacolas biodegradáveis para os banhistas. 

Confira fotos da ação na galeria a seguir:

17 Abril
ATIVIDADE EXTERNA
Curso de Fisioterapia promove orientações para idosos do bairro São Cristóvão
Por Vania Alice

A professora Elis Victor e os alunos Juliana, do 7ºperíodo, Cleidson, do 5ºperíodo, e Adjane, do 6º período, realizaram palestra com orientações sobre a incidência de osteoporose para os idosos da comunidade do bairro São Cristóvão.