Faculdade Maurício de Nassau UNINASSAU | Ser Educacional
20 Fevereiro
RECIFE
Confira o edital de iniciação científica 2019.1
Por Lenira de Melo

É com satisfação que enviamos o Edital de iniciação científica para o período de abril/2019 a março/2020.

As inscrições já estão abertas e serão recebidas na reitoria (ver anexo 01).

O edital deste ano vem mais detalhado, especialmente a respeito dos critérios de seleção.

 

Participe!!!

Anexo: 
13 Dezembro
LEITURA
Exigências proteicas para juvenis de camarões marinhos
Por Jose Teles

Confira a resenha escrita pelo professor Luiz Trevisan , do curso de veterinária

11 Dezembro
PSICOLOGIA
Alunos apresentam trabalhos no I Congresso Nacional de Reabilitação em Teresina
Por Aline Meneses

As apresentação ocorreram entre os dias 14 e 17 de novembro

13 Novembro
EVENTO
Alunos podem participar do II Encontro da Extensão
Por Gissele Christine

O II Encontro da Extensão é fruto da parceria entre os Cursos de Serviço Social e Pedagogia da UNINASSAU-Belém, por meio do Grupo de Estudos e Pesquisa em Cidadania e Direitos Humanos - GEPCDH.

O GEPCDH está a um ano e 8 meses desenvolvendo atividades que integram o tripé: Ensino, Pesquisa e Extensão.

Proporcionado aos alunos o contato com a realidade, articulando os conhecimentos adquiridos no curso, a teoria com a prática.

O grupo de estudo se reúne de 15 em 15 dias, as terças-feiras das 14 às 18h, para debater bibliografia relacionada a cidadania e direitos humanos. E aos sábados, que foram instituídos como sábados acadêmicos, para planejar as ações que serão realizadas nas escolas públicas, neste semestre indo às escolas integrantes do Pacto pela Educação.

O grupo tem debatido temas de interesse das escolas: bullying; direitos  e deveres; Projeto de vida; ente outros.

Sobre o II Encontro destaco que a escolha do tema  emergiu a partir do observado em nossas atividades na escola, nos instigou o fato da família ser vista como "problema" principalmente por não estar conforme o "Modelo tradicional" - formado pelo pai, mãe e filho. não tem sido este o conjunto de integrantes que a própria escola identifica, em sua maioria é destacada a presença apenas da mãe e os filhos, avós e filhos, e/ou pai e filhos.

E como pensar as demais questões: Direitos Humanos? Cidadania? Questões de gênero? Se a compreensão de família é limitada.

Pensando nesta realidade que o GEPCDH decidiu discutir a partir da dimensão do Direitos Humanos, a Escola, trazendo ao debate o tema da Escola sem partido, a Família, para refletir sobre o conceito de família e a suas interfaces, e democracia, para pensar novos rumos dentro no contexto atual que se mostra contraditório ao campo dos direitos humanos.

Os palestrantes são todos pesquisadores renomados e teremos a presença da Magnífica reitora da Universidade da Amazônia Maria Bethânia de Carvalho Fidalgo Arroyo.

Teremos também membros do Grupo apresentando trabalhos científicos, o diferencial desta 2ª versão do encontro.

O Evento é gratuito, aberto ao público.

As inscrições estão sendo realizada pelo portal.

 

DATA:16/11/2018

HORÁRIO: 8h às 21h

LOCAL: Uninassau do Bloco Quintino Bocaiúva, Auditório 1ª Andar.

 

 

27 Outubro
Atividade
Alunos de enfermagem realizam exposição de banners
Por Silvia Santana

Os banners abordavam os projetos de pesquisa elaborados pelos próprios discentes

25 Julho
INICIAÇÃO CIENTÍFICA
Aberto edital para Pesquisa e Extensão na unidade Manaus
Por Alcimar Marques

Os estudantes e professores da unidade Manaus já podem conferir o edital de Pesquisa e Extensão, por meio da Coordenação de Pesquisa e Inovação Tecnológica (COPITE). As propostas devem ser submetidas até o dia 20 de agosto.

Anexo: 
26 Abril
PESQUISA
Zika elimina tumor humano avançado no sistema nervoso
Por Sueli Maria

Após injetar pequenas quantidades do patógeno no encéfalo de camundongos com estágio avançado da doença, os cientistas observaram uma redução significativa da massa tumoral e aumento da sobrevida dos animais. Em alguns casos, houve a eliminação completa do tumor – até mesmo de metástases na medula espinal.    

    “Estamos muito animados com a possibilidade de testar o tratamento em pacientes humanos e já estamos conversando com oncologistas. Também submetemos uma patente com o protocolo terapêutico adotado em roedores”, contou Mayana Zatz, professora do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB-USP) e coordenadora do Centro de Pesquisas do Genoma Humano e Células-Tronco (CEGH-CEL), um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) apoiado pela FAPESP.

    Zatz coordenou a investigação ao lado de Oswaldo Keith Okamoto, também professor do IB-USP e membro do CEGH-CEL. Colaboraram pesquisadores do Instituto Butantan, do Laboratório Nacional de Biociências (LNBio) e da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

    “Nossos resultados sugerem que o Zika possui uma afinidade ainda maior pelas células tumorais do sistema nervoso central do que pelas células-tronco neurais sadias [principais alvos do vírus no cérebro de fetos expostos durante a gestação]. E ao infectar a célula tumoral ele a destrói rapidamente”, disse Okamoto.

    Em seu laboratório no IB-USP, o pesquisador tem se dedicado nos últimos anos a estudar um grupo de genes que, quando expressos em tumores malignos, conferem às células tumorais propriedades semelhantes às de células-tronco, tornando-as mais agressivas e resistentes ao tratamento (leia mais em: http://agencia.fapesp.br/21884/).

    Segundo Okamoto, essas células tumorais com características de células-tronco já foram observadas em diversos tipos de tumores sólidos, inclusive aqueles que afetam o sistema nervoso central. Dados da literatura científica sugerem que elas ajudam o câncer a se disseminar pelo organismo e a restaurar o crescimento tumoral após a quase eliminação da doença por tratamentos de químio e radioterapia.

    “Nossos estudos e de outros grupos mostraram que o vírus Zika causa microcefalia porque infecta e destrói as células-tronco neurais do feto, impedindo que novos neurônios sejam formados. Foi então que tivemos a ideia de investigar se o vírus também atacaria as células-tronco tumorais do sistema nervoso central”, disse Okamoto.

    Metodologia

    O trabalho agora publicado teve como foco os chamados tumores embrionários do sistema nervoso central. Foram usadas nos experimentos três linhagens tumorais humanas: duas de meduloblastoma e outra de tumor teratoide rabdoide atípico (TTRA).

    Como explicou Okamoto, ambos os tipos de câncer são causados por aberrações – genéticas ou epigenéticas – que acometem as células-tronco e progenitores neurais durante o desenvolvimento embrionário, quando o sistema nervoso está em formação.

    “As células-tronco neurais que sofrem essas alterações dão origem, mais tarde, às células tumorais. Formam tumores agressivos, de rápido crescimento, que podem se manifestar logo após o nascimento ou até a adolescência”, disse o pesquisador.

    Em uma primeira etapa da pesquisa, o grupo testou in vitro se o Zika era capaz de infectar essas três linhagens de tumores do sistema nervoso central e também células de outros tipos frequentes de câncer, como mama, próstata e colorretal.

    Foi feito um estudo de escalonamento de dose, ou seja, quantidades crescentes do vírus foram adicionadas às células tumorais em cultura até encontrar a quantidade capaz de promover a infecção. Por microscopia de imunofluorescência, os pesquisadores puderam confirmar se o vírus tinha de fato invadido e começado a se replicar no interior da célula tumoral.

    “Observamos que pequenas quantidades do Zika eram suficientes para infectar as células de tumores do sistema nervoso central. As de próstata chegaram a ser infectadas, mas em uma proporção muito menor. Por outro lado, mesmo uma grande dose viral não causou infecção nas células de câncer de mama e de tumor colorretal”, disse Okamoto.

    O segundo experimento consistiu em comparar a capacidade do vírus de infectar células-tronco neurais sadias – obtidas a partir de células-tronco pluripotentes induzidas (IPS, na sigla em inglês, células adultas reprogramadas em laboratório para se comportarem como células-tronco) – e células-tronco tumorais do sistema nervoso central.

    “Infectamos ambos os tipos celulares in vitro e vimos que as células-tronco tumorais são ainda mais suscetíveis a serem destruídas pelo Zika do que as células-tronco neurais sadias. Nesse mesmo ensaio, expusemos neurônios maduros ao vírus – diferenciados a partir das células-tronco neurais humanas – e vimos que eles não foram infectados ou destruídos pelo patógeno”, disse o pesquisador.

    “Esta é uma ótima notícia, uma vez que nosso objetivo é destruir especificamente células tumorais”, afirmou Zatz.

    Como explicou a pesquisadora, as células-tronco neurais usadas no experimento foram obtidas durante um estudo anterior do grupo, feito com pares de gêmeos discordantes, ou seja, casos em que apenas um dos irmãos foi afetado pelo vírus, embora ambos tenham sido expostos igualmente durante a gestação (leia mais em: http://agencia.fapesp.br/27083).

    A linhagem de tumor teratoide rabdoide atípico foi, segundo Okamoto, a que se mostrou mais sensível à infecção.

    “Fizemos uma extensa análise do perfil genético e molecular dessas linhagens, que incluiu sequenciamento completo do exoma [parte do genoma onde estão os genes que codificam proteínas], análise de expressão gênica global e de alterações cromossômicas. Chegamos à conclusão que essa linhagem tumoral mais sensível ao vírus também foi a que mais se assemelhou às características moleculares das células-tronco neurais sadias”, disse o cientista.

    Dados preliminares do grupo sugerem que o Zika também é capaz de infectar e destruir outros tipos de células tumorais do sistema nervoso central, entre elas glioblastoma e ependimoma.

    Ensaios in vivo

    Na terceira e última etapa da pesquisa, foram feitos ensaios com camundongos imunossuprimidos, nos quais foram injetadas células tumorais humanas – tanto de meduloblastoma quanto do tumor teratoide rabdoide atípico, em diferentes grupos.

    Nesse modelo de estudo, o tumor é induzido em uma região do encéfalo conhecida como ventrículo lateral. De lá, ele se espalha para outras regiões do sistema nervoso central e, em seguida, ao longo da medula espinal – mimetizando casos avançados da doença humana.

    Depois que o tumor estava instalado, uma parte dos animais recebeu – na mesma região do encéfalo – uma injeção com pequena dose de Zika. “No grupo tratado, observamos uma redução significativa do volume tumoral. Em alguns casos, o tumor foi eliminado totalmente, até mesmo as metástases que haviam se formado na medula espinal”, disse Okamoto.

    O maior aumento da sobrevida foi observado entre os animais com tumor teratoide rabdoide atípico. Enquanto o grupo não tratado sobreviveu por até 30 dias, a sobrevida dos que receberam o Zika nesse grupo foi de até 80 dias.

    “Os animais acabaram morrendo mesmo quando o tumor foi totalmente eliminado – em decorrência das complicações da doença em estágio avançado. É possível que a sobrevida se torne ainda maior caso o tratamento seja feito em um estágio mais precoce. É algo que precisamos investigar”, disse Okamoto.

    Os pesquisadores também injetaram o vírus em um grupo de roedores imunossuprimidos que não teve o câncer induzido. Nesse caso, o vírus ficou mais tempo circulando pelo organismo e os animais morreram em apenas duas semanas em decorrência da infecção viral.

    Leia mais no link

    13 Abril
    Natal
    Tendências para a atividade física em 2018
    Por Pedro Dutra

    O Colégio Americano de Medicina do Esporte, realizou uma pesquisa online com a finalidade de avaliar quais as tendências para atividade física no ano de 2018. A pesquisa foi enviada para 114.455 profissionas em 43 países. Todos foram orientados a selecionar aquelas atividades (total de 40) que proporcionassem desenvolvimento geral ou mudança na forma que as pessoas estão se comportando em relação a prática de atividade física. Nesse sentido, segue a lista com as 10 principais tendências para 2018:

    1. Treinamento Intervalado de Alta Intensidade

    2. Treinamento em grupo - Aulas Coletivas

    3. E-health - Saúde eletrônica (gps, frequencímetro, relógios inteligentes, óculos)

    4. Treinamento com o peso corporal

    5. Treinamento de força

    6. Qualificação profissional (Profissionais experientes, educados e certificados)

    7. Yoga

    8. Treinamento personalizado (Personal training)

    9. Programas para a terceira idade

    10. Treinamento Funcional

    O arquivo original está disponível como anexo.

    Att.

     

    Anexo: 
    15 Fevereiro
    Recife
    Confira o edital de iniciação científica
    Por Lenira de Melo

    Prezado aluno,

     

    É com satisfação que enviamos o Edital de iniciação científica 2018.

    As inscrições já estão abertas e serão recebidas na reitoria até o dia 7 de março.

    O edital deste ano vem mais detalhado, especialmente a respeito dos critérios de seleção.

     

    Participe!!!

     

    Páginas