Faculdade Maurício de Nassau UNINASSAU | Ser Educacional
03 Maio
Nutrição
Projeto de Extensão Multidisciplinar Tabagismo
Por Janemary Araujo

A UNINASSAU Centro Universitário Maurício de Nassau de Campina Grande, por meio da Coordenação de Nutrição, resolve promover a seleção para alunos interessados em participar do Projeto de Extensão Interdisciplinar do Tabagismo (FMN/UFCG/UEPB).

1. FINALIDADE:

O projeto consistirá em reuniões semanais com os usuários tabagistas e ex-tabagistas, no ambulatório do Hospital Universitário Alcides Carneiro (HUAC).

As reuniões tem por objetivo promover modificações no padrão alimentar dos participantes, a fim de minimizar os efeitos causados pelo hábito de fumar e auxiliar no controle do ganho de peso após a cessação do uso do cigarro.

2. COMPOSIÇÃO

2.1. O projeto será orientado pela professora Janemary Malheiro de Araújo;

2.2. Cada aluno deverá ter disponibilidade de 06 horas semanais nos turnos manhã, tarde e noite (dessas, 03 horas são obrigatória à disponibilidade as sextas-feiras no turno da tarde, as demais 03 horas podem ser distribuídas em outros dias da semana);

2.3. Cada aluno realizará atividades de avaliação e educação nutricional por meio de palestras, dinâmicas, entre outros;

 

Confira o edital completo em anexo e faça sua inscrição na Coordenação de Curso!

29 Agosto
Petrolina
Consumo de cigarro mata 8 milhões de pessoas no mundo
Por Sérgio Junior

Em alusão ao Dia Nacional de Combate ao Fumo, celebrado no dia 29 de agosto, professores da Faculdade UNINASSAU Petrolina trazem alertas sobre os perigos do tabagismo e dicas sobre como parar de fumar. Segundo os dados de 2018 do Instituto Nacional do Câncer (INCA) apontam que 428 pessoas morrem por dia devido à dependência da nicotina no Brasil e, no mundo, a Organização Mundial de Saúde (OMS) registrou, no mesmo ano, 8 milhões de mortes.

O cigarro é composto por mais de 4.000 substâncias tóxicas e existem três que são consideradas as piores, são elas: nicotina, que provoca dependência e chega ao cérebro de forma rápida e está associada aos problemas cardiovasculares; o monóxido de carbono (CO), que reduz a oxigenação sanguínea no corpo, gerando dores de cabeça, após passar várias horas sem fumar; e o alcatrão, que reúne vários produtos cancerígenos, como polônio, chumbo e arsênio.

09 Abril
RESULTADO
Divulgado o resultado projeto de extensão sobre tabagismo
Por Janemary Araujo

Confira o resultado da seleção do projeto de extensão do Tabagismo.

Os alunos classificados devem comparecer a reunião dia 12/04/2018 as 17h na coordenação do curso. O aluno que não comparecer será desclassificado do projeto.

Parabéns a todos!

22 Março
PROJETO DE EXTENSÃO
Divulgado edital de extensão sobre tabagismo
Por Janemary Araujo

A unidade Campina Grande, por meio da coordenação de Nutrição, resolve promover a seleção para alunos interessados em participar do Projeto de Extensão Interdisciplinar do Tabagismo (FMN/UFCG/UEPB).

1. Finalidade:

O projeto consistirá em reuniões semanais com os usuários tabagistas e ex-tabagistas, no ambulatório do Hospital Universitário Alcides Carneiro (HUAC).

As reuniões terão por objetivo promover modificações no padrão alimentar dos participantes, a fim de minimizar os efeitos causados pelo hábito de fumar e auxiliar no controle do ganho de peso após a cessação do uso do cigarro.

Confira o edital completo, presente no campo "Anexo" abaixo.

Anexo: 
06 Junho
Artigo
Qual a sua desculpa por não parar de fumar?
Por Larissa Kattiney

Neste dia 31 de maio celebramos uma data importantíssima para a saúde pública do Brasil e do mundo, o Dia Mundial de Combate ao Tabaco. Criado em 1987 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para servir de alerta sobre doenças relacionadas ao tabaco e mortes que, infelizmente, poderiam ser evitadas.

Ao todo, cerca de 6 milhões de pessoas morrem por ano em todo o mundo por doenças provocadas pelo tabaco. O triste nesta história é que, segundo a ANS, 10% destas mortes são de fumantes passíveis, ou seja: pessoas que não fumam, mas frequentam ambientes ou passam muito tempo perto de pessoas que fumam frequentemente. As doenças que são ocasionadas por esses produtos e suas substâncias são gravíssimas, como: câncer, derrame, infarto e problemas pulmonares.

Para a saúde bucal não é diferente. É comprovado cientificamente que pessoas com o hábito de fumar detém uma maior chance de adquirir câncer de boca, leucoplasia e doenças periodentais, além de interferir na eficácia de tratamentos de implantes e em diversos outros. Com o vício do fumo, a pessoa naturalmente tem as defesas do seu organismo reduzidas, o que dificulta também no processo de cicatrização e na recuperação de tratamentos odontológicos como: raspagem, cirurgias periodentais e osseointegração de implantes dentários.

Outros problemas causados pelo fumo:

Gengivas e dentes escuros

O cigarro estimula a produção de melanina na área da boca causando manchas nas gengivas dos fumantes. Nos dentes, os componentes do cigarro auxiliam na formação de placa bacteriana, que inicialmente é incolor, mas se torna amarela, escurecendo os dentes.

Para ler a matéria na íntegra clique no link

06 Junho
Artigo
Prejuízo anual do tabagismo para o Brasil é de R$56,9 bilhões
Por Rene Araujo

Indicação de leitura.

No Dia Mundial sem Tabaco, o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) e o Ministério da Saúde (MS) lançam em cerimônia na sede do INCA no Rio de Janeiro o estudo “O Tabagismo no Brasil: morte, doença e política de preços e impostos”, relativo ao ano de 2015, que apurou, pela primeira vez, o custo do tabaco para o Brasil. O consumo de cigarros e outros derivados do tabaco causou um prejuízo de R$56,9 bilhões ao país: R$39,4 bilhões em custos médicos diretos e R$17,5 bilhões em custos indiretos, decorrentes da perda de produtividade devido à morte prematura e incapacitação de trabalhadores.

O estudo apurou que a arrecadação total de impostos pela União e estados com a venda de cigarros no país em 2015 foi de R$12,9 bilhões. Ou seja, o saldo negativo do tabagismo para o país foi de R$44 bilhões.

Ainda pior que o impacto econômico é o rastro de mortes deixado pelo tabagismo. Apesar da significativa redução na prevalência de fumantes, resultado da exitosa política nacional de controle do tabaco, o estudo aponta que o tabagismo foi responsável por 156.216 mortes no Brasil em 2015, que representam 12,6% de todos os óbitos de pessoas com mais de 35 anos. As mulheres que fumam perdem em média 6,7 anos de vida e os homens, 6,1 anos. Entre os ex-fumantes, as mulheres perdem 2,4 anos de vida e os homens, 2,7 anos.

A pesquisa teve coordenação científica da Fundação Oswaldo Cruz e do Instituto de Efectividad Clínica y Sanitaria (IECS), da Universidade de Buenos Aires. O INCA financiou a pesquisa por meio de um acordo técnico com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), braço da Organização Mundial da Saúde (OMS). O financiamento também contou com subsídios de pesquisa outorgados pelo International Development Research Centre (IDRC), do Canadá.

Segundo o estudo, as doenças relacionadas ao tabaco que oneraram em 2015 os sistemas público e privado de saúde no Brasil foram: doença pulmonar obstrutiva crônica-DPOC (principalmente enfisema e asma), R$16 bilhões; doenças cardíacas, R$10,3 bilhões; tabagismo passivo e outras causas, R$4,5 bilhões; cânceres diversos (de esôfago, estômago, pâncreas, rim, bexiga, laringe, colo do útero, leucemia, etc.), R$4 bilhões; câncer de pulmão, R$2,3 bilhões; acidente vascular cerebral (AVC), R$2,2 bilhões; e pneumonia, R$146 milhões.

O estudo divide em duas categorias os prejuízos por produtividade perdida associada ao tabagismo. As mortes prematuras (de homens com menos de 60 anos e mulheres com menos de 55 anos) levaram a perdas de R$7,5 bilhões e as incapacitações de trabalhadores representaram R$10 bilhões.

Do total de 156.216 óbitos relacionados ao tabaco, 34.999 foram por doenças cardíacas, 31.120 por DPOC, 26.651 por cânceres diversos, 23.762 por câncer de pulmão, 17.972 por tabagismo passivo, 10.900 por pneumonia e 10.812 por AVC.

O trabalho também levantou o número de pessoas que adoeceram no Brasil em 2015 por causas atribuíveis ao tabaco: 477.470 adoeceram por doenças cardíacas, 378.594 por DPOC, 121.152 por pneumonia, 59.509 por AVC, 46.650 por cânceres diversos e 26.850 por câncer de pulmão.

Fonte:

http://www.cff.org.br/noticia.php?id=4478