Faculdade Maurício de Nassau UNINASSAU | Ser Educacional
11 Outubro
ARTIGO
Coleta seletiva – uma tendência saudável
Por Eulampio Neto

Ultimamente tem sido bastante significativa a iniciativa das pessoas em reduzir, reciclar e reutilizar materiais que, em outro momento iriam para o lixo, contribuindo, sem dúvidas para com a degradação do ambiente, entre outros problemas. No Brasil, é expressivo o aumento no número de pessoas que vêm saindo dos lixões, onde trabalhavam em busca de tirar o sustento para toda a família, para montar ou se filiar a cooperativas ou associações voltadas a atividades de reciclagem.

No entanto, vale ressaltar que ainda é baixo o incentivo por parte do setor público no sentido de estimular a população a fazer a segregação dos resíduos em casa, pois, devido à inexistência do serviço público de coleta seletiva, fica complicado, segregar em casa sabendo que tudo será recolhido num mesmo caminhão coletor e direcionado ao lixão da cidade.

Contudo, na perspectiva de contribuir com a coleta seletiva, as pessoas que separam os resíduos gerados em casa, o levam até uma cooperativa ou associação que trabalha com reciclagem, já que essas entidades quando fazem coleta de material in loco, geralmente é em empresas, condomínios e instituições parceiras, pois assim é mais vantajoso e econômico.

As famílias que vivem da reciclagem, seja de papel/papelão, vidro, plástico ou outro(s) tipo(s) de produto(s) em cooperativas/associações, têm como vantagens a diminuição no risco de acidentes (atropelamentos – muitas vezes seguidos de morte, cortes, mutilações, etc.), além de livrar-se, quase que totalmente, de infecções graves, conflitos (devido à disputa que existe naturalmente entre os catadores), dentre outros agravos. Os esforços emanados geralmente de entidades representantes da sociedade civil organizada no sentido de despertar o interesse do setor público em transformar lixões em aterros sanitários, tem adquirido uma grande importância, já que tais aterros já são uma realidade em várias cidades do Brasil.

Alguns fatores que geram entraves quando da criação de entidades voltadas ao trabalho com reciclados é a falta de subsídio por parte dos governos. Devido a isso é que, muitas vezes, tal subsídio é feito pela iniciativa privada por meio de doações de equipamentos como prensa, caminhão, pagamento de aluguel de galpões, doação de terrenos, fardamento, etc.

Apesar dos benefícios já relacionados acima, nem todos os ex-catadores de um lixão se filiam a associações/cooperativas, pois normalmente nesses locais há exigências quanto ao cumprimento de horário e, no final do mês há a divisão dos lucros, proporcionalmente aos dias trabalhados no referido mês, o que pode representar um ganho não muito elevado. Assim, uma parte desses ex-catadores prefere atuar nas ruas com carrinhos catando papelão e outros resíduos possíveis de serem reciclados, porém há riscos como atropelamento e até mesmo agressão por parte de alguns donos de casa que ao verem seu lixo ser remexido e, muitas vezes deixado desarrumado, agride os catadores. Aliado a tudo isso, tem ainda a indisposição para atenderem a horários e outras normas disciplinares de trabalho existentes nas instituições já citadas.

Em termos de lucro por pessoa, esses ainda são relativamente baixos, pois o valor que se paga no quilo do papelão, por exemplo, é bastante reduzido, além do mais há também falcatruas por parte de algumas indústrias que compram os produtos que serão reciclados, comprometendo mais ainda os lucros.

No geral, quando se contabilizam os benefícios que o fechamento dos lixões traz ao ambiente (fauna, flora, aquíferos, etc.), às pessoas (especialmente no que diz respeito à saúde), à diminuição no risco de acidentes com aeronaves (ausência de urubus), entre outros vários aspectos, os ganhos financeiros que ainda são baixos, representa algo que, por se encontrar em fase de transição, modificará, uma vez que a tendência é que cada vez mais pessoas adotem a coleta seletiva em sua casa, contribuindo com a quantidade recolhida por essas instituições, aumentando, consequentemente, a renda de tais famílias.

Comece já a fazê-la em sua casa ou condomínio, é muito fácil: contacte uma cooperativa/associação de sua cidade que trabalha com reciclagem, solicite um esclarecimento sobre o que é reciclável, como proceder quanto à segregação e pronto!

Por: Andreey Teles - Médico Veterinário, professor do ensino superior e Coordenador do curso de medicina veterinária da Uninassau João Pessoa.

11 Outubro
MEDICINA VETERINÁRIA
Participe da Avaliação institucional 2018.2
Por Eulampio Neto

Estamos vivenciando mais um período de avaliação institucional e a sua participação é de grande importância. Por isso, acesse o Portal do Aluno, selecione o link de avaliação institucional e colabore conosco. Vale ressaltar que este é o momento de consolidação da construção de propostas para a melhoria dos cursos e das nossas unidades.

 

05 Outubro
OFICINA
Oficinas profissionalizantes 2018.2 - Medicina veterinária
Por Eulampio Neto

Caríssimos alunos,

Estamos nos aproximando da semana de oficinas profissionalizantes (a partir do dia 15 de outubro) do curso de medicina veterinária - Uninassau João Pessoa. Este é um momento em que os alunos vivenciam mais de perto a realidade da profissão. É a oportunidade de sanar dúvidas, ver o dia-a-dia e criar vínculos com futuros colegas. Não deixe de participar dos eventos que pensamos e articulamos com o maior esforço e dedicação.

Acesse a programação em anexo.

Contamos com a presença de todos!

24 Setembro
EVENTO
Alunos de Medicina Veterinária e Enfermagem participam de exposição agropecuária
Por Eulampio Neto

Presente nos 08 dias de exposição agropecuária, a Uninassau despertou interesse em vários visitantes e grupos de estudantes, tendo sido frequentada de forma expressiva durante o período da Paraíba Agronegócios, no Centro de Serviços e Eventos Rurais Henrique Vieira de Melo que foi desde 16 a 23 de setembro do presente.

Com exposição de peças anatômicas animais e, disponibilizando ao público uma equipe para atendimento básico em enfermagem, o stand da Uninassau fez a diferença por ter sido a única instituição de educação de João Pessoa a fazer-se presente no referido evento, mais precisamente levando os cursos de Medicina Veterinária e Enfermagem.

Durante a semana de evento, vários alunos estiveram presentes no stand colaborando com o curso, aspecto esse importante, pois serve de estímulo para que os alunos conheçam outras realidades ligadas à medicina veterinária. Afinal de contas, como dispomos de uma série de alunos que já atuam na área, mais precisamente de animais de companhia, o acesso a animais de produção é algo diferencial no despertar dos acadêmicos, já que estimula na escolha de qual área dedicar-se durante a formação.

Em momentos como esse é de relevante importância a instituição fazer-se presente, uma vez que mostra seu interesse e colaboração com efetivo potencial voltado a áreas em que se dedica na formação de profissionais, tais como a enfermagem e a medicina veterinária, embora possua uma infinidade de cursos.

Queremos agradecer a todos que colaboraram para com a consolidação das nossas ações, o que vai desde a organização da feira, na pessoa da Vanessa Alves, assim como à direção regional e da unidade, respectivamente o prof. Rogério Xavier e à profa. Flávia Simonassi, bem como aos alunos da medicina veterinária e do curso de enfermagem da Uninassau João Pessoa, bem como à profa. Kirlene Chianca.

21 Setembro
AÇÃO
Coordenação do curso de medicina veterinária faz ação junto com o CCZ
Por Eulampio Neto

Nesta sexta-feira (21), o Centro de Controle de Zoonoses de João Pessoa, juntamente com a coordenação do curso de Medicina veterinária- unidade João Pessoa, realizou um treinamento aos alunos do segundo período do curso que irão participar como vacinadores na campanha de vacinação antirrábica de 2018. A ação ocorrerá neste sábado (22), em todo o município.

É uma oportunidade para os alunos conhecerem um pouco da prática veterinária no campo, interagir com a população e vivenciar uma das realidades diárias do centro de controle de zoonoses. A adesão foi expressiva e todos os alunos saíram prontos para atuarem nesse processo tão importante que é a vacinação com vistas a prevenir o surgimento da raiva urbana.

 

18 Setembro
TREINAMENTO
Treinamento Campanha de Vacinação Antirrábica - Atenção
Por Eulampio Neto

 

Todos os alunos do Curso de Medicina Veterinária inscritos para participar da campanha de vacinação anti-rábica, que ocorrerá neste sábado (22/09/18), deverão comparecer no treinamento feito pela equipe do Centro de Controle de Zoonoses - CCZ o qual acontecerá conforme descrito abaixo:

Data: 21/09/18 (sexta-feira)

Sala: 610 - Uninassau - João Pessoa (Epitácio)

Horário: das 9h às 12h

 

Observações:

- A disponibilidade de horário e dia foi apresentado pelo CCZ no dia 18/09/18;

- A ausência no treinamento elimina o aluno de participar da ação;

- Quem se comprometer deverá comparecer, pois constitui-se como uma ação de responsabilidade que envolve vários segmentos, além de dinheiro público.

Atenciosamente,

Prof. Andreey Teles - Coordenador do curso de Medicina Veterinária da Uninassau João Pessoa.

14 Setembro
EVENTO
Medicina veterinária na Expofeira Paraíba Agronegócios 2018
Por Eulampio Neto

Começa neste domingo, 16 de setembro e você não pode perder. É a Expofeira Paraíba Agronegócios 2018.

Serão 08 dias seguidos, com uma programação bastante variada e, como sempre, a medicina veterinária da Uninassau estará presente juntamente com docentes. Estão sendo realizadas atividades de apresentação do curso, bem como de peças anatômicas e insumos utilizados na medicina veterinária, contando com a participação de alunos do segundo período do curso.

A ideia é chamar a atenção da população para a existência do curso de medicina veterinária da Uninassau e, em consequência ampliar a divugação da instituição.

O envolvimento dos alunos é uma forma de engajá-los no curso e em suas atividades externas, facultando a ampliação dos conhecimentos, especialmente num momento como este onde a programação é bastante variada.

11 Setembro
EVENTO
Informações - Campanha de Vacinação Antirrábica - João Pessoa
Por Eulampio Neto

Caros alunos.
 
Informo a todos que, os alunos inscritos para participar da campanha de vacinação antirrábica, promovida no município de João Pessoa, a cargo do CCZ, em parceria com o Curso de Medicina Veterinária da Uninassau João Pessoa, deverão estar no CCZ (trevo das Mangabeiras - pista do Bancários sentido Mangabeira) pontualmente às 8h do dia 22/09 (dia da campanha) para orientações e distribuição nos postos de vacinação.
 
Agradeço pelo envolvimento de todos!
 
Peço atenção e compromisso.
 
Desejo sucesso!

10 Setembro
PET
Obesidade animal, salve seu companheiro dessa furada!
Por Eulampio Neto

Você conhece os impactos da obesidade sobre seu PET?

A obesidade ocorre quando há um desbalanço entre a ingestão de energia e o seu gasto, ou seja, o animal ingere mais calorias (que são fornecidas pelos nutrientes gordura, carboidrato e proteína) do que precisa para suprir suas necessidades diárias. Com isso, esse excesso vai ser armazenado como gordura no tecido adiposo. Uma fase crítica para o seu desenvolvimento são os primeiros meses do crescimento e a fase de puberdade. Isto porque desenvolve-se um tipo de obesidade chamada de hiperplásica que é quando as células do tecido adiposo aumentam em número. Depois de certo tempo (na fase adulta) há uma estabilização na quantidade de células do tecido adiposo, mas as já existentes não são reduzidas. Assim, superalimentar um animal na fase de crescimento pode levar a obesidade e perder este excesso de peso depois será muito mais difícil.

Diversos fatores como o sexo, o status reprodutivo, a predisposição genética (raça), além da composição e da palatabilidade da dieta, assim como o estilo de vida (se ele é sedentário ou ativo) e, é claro, a ingestão de alimento podem influenciar no seu desenvolvimento. Dessa forma, cães e gatos adultos na meia idade, a castração, raças caninas como Cocker Spaniel, Labrador Retriever, Pastor de Shetland e os Terriers, animais com doenças endócrinas como o hiperadrenocorticismo (produção excessiva de hormônios pela glândula adrenal que fica próxima aos rins e que produz, dentre outros hormônios os corticoides) e hipotireoidismo (com baixa produção dos hormônios triiodotironina e tiroxina que controlam o metabolismo) têm maior predisposição a desenvolver a obesidade.

E esse excesso de peso pode levar a diversas alterações que incluem o desenvolvimento de diabetes, problemas cardiovasculares e respiratórios, mudanças do perfil bioquímico sanguíneo (alterações na concentração de triglicerídeos, por exemplo), intolerância ao exercício e ao calor, doenças de pele e do trato urinário inferior (no caso dos gatos) e, até mesmo, certos tipos de câncer.

Por isso, é importante que seja instituído um programa de restrição calórica nos cães e gatos que estejam acima do peso. O profissional escolherá uma dieta hipocalórica para realização deste programa e é importante que você, tutor, esteja ciente que o sucesso dependerá de você.

Alguns tutores têm dificuldade em reconhecer que seus companheiros estejam acima do peso, outros não conseguem resistir ao olhar pidão do companheiro e acabam burlando o programa através do fornecimento de petiscos ou alimentos fora do prescrito pelo médico veterinário. No entanto, a colaboração é fundamental porque o objetivo é a longevidade e a qualidade de vida do pet. Isto que se deve ter em mente!

E lembre-se: como medidas preventivas- para evitar o ganho excessivo de peso- estão o não oferecimento de dietas a vontade, ou seja, o fornecimento de quantidades dentro da recomendação diária para o seu pet e o incentivo a prática de exercícios ( que incluem levar cães para passear ou enriquecer o ambiente felino, por exemplo).

Por: Prof. Dr. Luiz Trevisan - Docente da disciplia de Histologia Animal Básica do Curso de Medicina Veterinária da unidade João Pessoa.

01 Setembro
AVALIAÇÕES
Confira o calendário de avaliações do curso de Medicina Veterinária
Por Eulampio Neto

Queridos alunos, saudações!
 
Fiquem atentos ao período de provas de 2018.2 referente ao curso de Medicina Veterinária.
 
Dúvidas? Fale com o professor responsável pela sua disciplina.
 
À disposição.
 
Atenciosamente,
 
Prof. Andreey Teles - Coordenador do curso de medicina veterinária - Uninassau - João Pessoa.

Páginas