Faculdade Maurício de Nassau UNINASSAU | Ser Educacional
30 Junho
MEDICINA VETERINÁRIA
Obesidade nos Pets
Autor: Jose Teles
Confira o texto

 

A obesidade pode ser definida como uma doença de origem multifatorial, levando ao acúmulo exagerado de tecido adiposo no organismo animal, vale ressaltar que este tecido é um órgão endócrino ativo, desempenhando importante papel em diversos processos fisiológicos, desta forma animais obesos apresentam-se constantemente em estado inflamatório corporal, desencadeando várias desordens sistêmicas o que ocasiona uma diminuição na expectativa de vida do animal.

A obesidade vem atravessando a fronteira das espécies e, assim como na população humana, a incidência da obesidade nos cães e gatos tem aumentado, como demonstram diversos estudos no mundo, relatando e documentando os índices crescentes da obesidade em cães e gatos, estimando-se que 25 a 40% deles estejam obesos.

A obesidade não deve ser encarada apenas do ponto de vista da adiposidade, ou seja, acúmulo excessivo de tecido adiposo, mas também pela associação a importantes alterações metabólicas e hormonais no organismo. Essa doença predispõe os animais a distúrbios cardiorrespiratórios, articulares, diabetes mellitus, doenças do trato urinário, além de tumores e alterações na pele, visão e sistema imunológico.

A ingestão alimentar está relacionada ao desenvolvimento da obesidade, entretanto, outros fatores também podem estar envolvidos, tais como a predisposição ao sobrepeso em determinadas raças de cães, como Labrador, Boxer, Basset Hound, Cocker Spaniel, Dachshund, Beagle, Golden Retriever e Rottweilers, assim como em felinos, da raça Manx apresentaram-se mais predispostos à obesidade.

Outro fator que tem demonstrado importancia para o desenvolvimento da obesidade é o estado sexual, as fêmeas possuem uma taxa metabólica basal menor que os machos, por isso tem demonstrado maior suscetibilidade à obesidade. Animais castrados tendem a ser mais obesos gerado pela redução do gasto energético ocasionado pela desaceleração do metabolismo basal. Dessa forma, fêmeas têm apresentado maior predisposição à obesidade, e quando são castradas, o risco aumenta, tendo em vista que o estrógeno exerce um efeito inibitório no apetite, e com sua ausência um dos efeitos é levar ao maior consumo de alimentos.

Animais sedentários também apresentam maior disposição à obesidade, pois a ausência de atividade física leva a um desequilíbrio no balanço energético, conduzindo a um balanço positivo em consequência do gasto reduzido de energia.

A nutrição é um dos principais fatores relacionados a saúde e a condição corporal de cães e gatos. Nesse sentido, o tipo de dieta e outros fatores dietéticos têm demonstrado uma relação importante no desenvolvimento e no ganho de peso, como a alta densidade energética das dietas, o fornecimento de petiscos, sobras de alimentos, quantidade de alimento e o número de refeições ofertadas. É importante salientar que o aumento do mercado pet, com várias opções de alimentos hipercalóricos e/ou a falta de conhecimento e orientação do tutor sobre nutrição, vem favorecendo o aumento de peso excessivo, já que alguns tutores têm o hábito de oferecer guloseimas e petiscos aos seus animais de maneira exagerada.

 

 

 

Referencias

APTEKMANN, K. P.; SUHETT, W. G.; SOUZA, G. B.; et al. Aspectos nutricionais e ambientais da obesidade canina. Ciência Rural, v. 44, n. 11, p. 2039-2044, 2014.

BRUNETTO, M. A.; NOGUEIRA, S.; SÁ, F. C.; et al. Correspondência entre obesidade e hiperlipidemia em cães. Ciência Rural, v. 41, n. 2, p. 266-271, 2011.

CARVALHO, G. L. C. Obesidade em cães e gatos: complicações metabólicas. Porto Alegre: UFRGS, 2014.

DEBASTIANI, C. Epidemiologia da obesidade canina: fatores de risco e complicações. São Paulo: UNESP, 2018. 82p. Dissertação (Mestrado em Medicina Veterinária), Programa de Pós-Graduação em Medicina Veterinária, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade Estadual Paulista, 2018.

LUND, E. M.; ARMSTRONG, P. J.; KIRK, C. A.; et al. Prevalence and risk factors for obesity in adult cats from private US veterinary practices. The International Journal of Applied Research in Veterinary Medicine, v. 3, n. 2, p. 88-96, 2005.

SILVA, S. F.; BRITO, A. K. F.; FREIRE, B. A. A.; et al. Obesidade canina: revisão. PUBVET, v. 11, n. 4, p. 371-380, 2017.MAO, J.; XIA, Z.; CHEN, J.; et al. Prevalence and risk factors for canine obesity surveyed in veterinary practices in Beijing, China. Preventive Veterinary Medicine, v. 112, n. 3-4, p. 438- 442, 2013.

ZORAN, D. L. Obesity in Dogs and Cats: A Metabolic and Endocrine Disorder. Veterinary Clinics of North America: Small Animal Practice, v. 40, n. 2, p. 221–239, 2010.

 

Por. Andrei Guedes – Médico veterinário e professor do curso de medicina veterinária da Uninassau João Pessoa.

 

Comentários