Faculdade Maurício de Nassau UNINASSAU | Ser Educacional
04 Outubro
Aula
Alunos de Engenharia participam de profundamento em Geologia
Por Ruy Martini

Na ocasião, o professor Igor Charles exercitou todo o conteúdo teórico discutido em sala de aula até o momento

24 Setembro
VISITA TÉCNICA
Visita Técnica na EMBRAPA
Por Ruy Martini

Nó último dia 24 de setembro, 20 alunos da turma de Engenharia Ambiental e Sanitária, sexto período, acompanhados pela professora Rosecélia Castro estiveram em visitá técnica na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), onde tiveram a oportunidade de aplicar na prática os conceitos vistos em sala de aula durante a disciplina de Botânica. Na ocasião os alunos visitaram as instalações do Herbário, da Xiloteca e do Laboratório de Anatomia Vegetal, sendo recebidos pela equipe técnica da Empresa de quem receberam as explicações sobre o funcionamento de cada setor.

Segundo a professora Rosecélia este tipo de atividade agrega enorme valor ao processo de aprendizagem do aluno além de colocar o discente em contato direto com uma das possibilidades de atuação profissional dos futuroas egressos. 

05 Junho
AVALIAÇÕES
Confira o calendário de avaliações dos cursos de Engenharia Ambiental, Química, Mecânica e Produção atualizados!!!!
Por Adriane Mendes

Prezados (as) alunos (as),

Confiram abaixo as datas das provas após alteração do calendário acadêmico.

Lembramos também que as avaliações das disciplinas DOL (Disciplinas On Line) ocorrerão nas seguintes datas:

2º Avaliação: 15/06/2018

2º Chamada: 20/06/2018

Avaliação Final: 29/06/2018

Qualquer dúvida procure sua coordenação!

 

17 Maio
VISITA
Visita Técnica no Ecoparque da Natura
Por Ruy Martini

Cerca de 45 alunos do quinto período dos cursos de Engenharia Ambiental e Sanitária, Química e Mecânica estiveram, no último dia 18 de abril, visitando o novo espaço da Natura, inaugurado recentemente em Benevides. Com aproximadamente 50 mil habitantes, o município paraense, localizado a 35 km de Belém (PA), o chamado “Ecoparque”, é um empreendimento que concentrará a produção de sabonetes, essências e óleos fixos da Natura, e deve gerar cerca de 250 empregos diretos e indiretos. Os alunos acompanharam os processos de produção e tiveram a oportunidade de vivenciar na prática os conceitos trabalhados em sala de aula.

Construído em uma área de 175 hectares, anteriormente ocupada por uma propriedade particular, o projeto é inspirado no conceito de simbiose industrial, que busca conectar empresas de diferentes segmentos de mercado com interesses comuns e necessidades complementares. Dessa maneira, a Natura ocupará apenas 10% da área total e o restante do espaço será destinado a sediar outras empresas interessadas em compor o polo industrial.

 O “Ecoparque” foi planejado para ser um empreendimento ecologicamente correto e abriga em suas instalações estruturas para a reutilização de água da chuva, e aproveita a ventilação e iluminação natural. Ademais, o uso de bicicletas é incentivado nas imediações e carros elétricos são disponibilizados para facilitar a mobilidade dos colaboradores e visitantes ao complexo.

 Essa nova unidade fabril da Natura iniciou as atividades com capacidade de produção de 280 milhões de barras de sabonetes e 480 toneladas de essências e óleos fixos. Além desses produtos, o “Ecoparque” também absorverá a produção de “noodles”, massa base para fabricação de sabonetes, fazendo com que o mercado brasileiro e internacional seja abastecido com produtos 100% fabricados na Amazônia.

15 Maio
AÇÃO
Discentes fazem monitoramento ambiental na Praia do Marahú
Por Ruy Martini

Os alunos da turma do sétimo período do curso de Engenharia Ambiental e Sanitária, da unidade Belém, realizaram nos dias 7 e 8 de abril, uma visita técnica na ilha de Mosqueiro. O local, que que é um distrito administrativo do município de Belém,  é uma ilha fluvial localizada na costa oriental do rio Pará, um braço sul do rio Amazonas, em frente à baía do Marajó.

A atividade teve como objetivo observar a caracterização e avaliação das obras de contenção à erosão nas praias do Marahú e Paraiso, a dinâmica sedimentologia da praia do Marahú e Paraiso, a percepção e reação dos proprietários à erosão na praia do Marahú e Paraiso, a valoração econômica relativa da erosão costeira na praia do Marahú e Paraiso, a  caracterização textural das praias do Marahú e Paraiso além da avaliação de impacto ambiental pela ação antrópica nas praias.

O município é um dos mais populosos e frequentados por turistas. Do ponto de vista urbanístico, o maior problema atual são as ocupações imobiliárias irregulares em áreas de risco sujeitas a erosão costeira. É visivelmente conhecido que o desenvolvimento turístico, ao longo da costa da ilha, contribui para o crescimento urbano Justifica-se no argumento de que “o monitoramento da morfologia, sedimentologia e hidrodinâmica na interface linha de costa-oceano das cidades litorâneas, bem como as implicações da urbanização (relação ocupação humana X ambientes costeiros), devem ser contínuos, minimizando a ocorrência de novos prejuízos sócioeconômicos e ambientais”.